quinta-feira, dezembro 18, 2008

Natal

Eu sou, sempre fui, uma pétala da minha flor.
No princípio, de flor com corola muito petalada, fresca, olorosa e de cor brilhante.
Mas, em cada Natal, contava as pétalas que tinham secado, que tinham perdido o seu aroma e o seu brilho e que tinham desaparecido.
E a minha flor tem, cada vez, menos pétalas.
Olho-a e entristece-me não saber para onde foram tantas pétalas. Olho-a e entristece-me pensar que, neste Natal, ainda menos pétalas tem.

Entretanto, olho à volta e vejo outras flores. Uma, quase sem pétalas. Outras, cheias de viço, exuberantes.

E estas são as flores que vão enfeitar o meu Natal.

A pétala-eu da minha flor é aquela que se ataviou de uma gota de orvalho.