segunda-feira, novembro 19, 2007

Poesia


...

“Silvestre quer saber
porque razão eu estrago o português
escrevendo palavras que nem há.”

...

É que eu amo tanto a Vida
que ela não tem
cabimento em nenhum idioma.”

...

“Fazer da palavra um embalo
é o mais puro e apurado
senso da poesia,”


Hoje tenho andado a embalar-me nas palavras de Mia Couto, em “Idades Cidades Divindades”.

7 Comentários:

Blogger 125_azul disse...

Os olhos azuis do Mia...eles próprios poesia. beijinhos

terça-feira, novembro 20, 2007 10:51:00 da manhã  
Blogger Huckleberry Friend disse...

E as palavras que esses olhos vêem surgir das coisas... boa escolha, aproveito para convidar-vos apara uma visita ao meu blogue. Abraço!

terça-feira, novembro 20, 2007 1:27:00 da tarde  
Blogger Skyman disse...

E neste momento de Outono, que melhor embalar que esse, nas palavras de alguém, que escreve com "o mais puro e apurado senso de poesia"
bjs

terça-feira, novembro 20, 2007 3:39:00 da tarde  
Anonymous casadaponte disse...

Acho que são os olhos...é o conjunto todo que é duma doçura incrível aliado às palavras que para quem viveu naquelas paragens são tão mais fáceis de entender.
Beijinhos Laurinha e boas leituras,com o "embalo" especial desta escrita.
M.Dores

quarta-feira, novembro 21, 2007 4:01:00 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

Gosto imenso do Mia Couto!!! Não perco um livro dele! As suas palavras são doces e sabem a terra
africana.
beijinho
beirense

quinta-feira, novembro 22, 2007 8:11:00 da manhã  
Blogger MCM disse...

Nunca li, mas fiquei tentada.
Obrigada pela tua visita , eu tb já tinha saudades de vir aqui e ouvir esta música! Ainda bem que continua a mesma... é como ir a uma casa de que temos saudades e encontrar tudo no mesmo sitio!

sábado, novembro 24, 2007 12:25:00 da manhã  
Blogger Madalena disse...

Tenho de ter um, paar me embalar também nas palavras e no que elas nos contam. Um beijinho enorme, Laurinha!

domingo, novembro 25, 2007 11:31:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home