quinta-feira, abril 05, 2007

Páscoa

A casa ficava no mais perfeito pandemónio. Janelas despidas de todos os panos que as guarneciam. Móveis arrastados. Gavetas despejadas e forradas de novo. Prateleiras esvaziadas e rearrumadas. Colchões e almofadas enchidos de folhelho e sumaúma novos. O chão, em tábua corrida, raspado, esfregado a sabão amarelo com escova de duras cerdas e, depois de bem seco, encerado com duas camadas de cera. A sala de visitas era aberta, despojada dos inúmeros lençóis que tudo cobriam e submetida a igual tratamento do resto da casa.
Até o cágado andava confuso sem encontrar o seu móvel de abrigo.
Tudo pronto! Que delícia de perfume. Cheirava a limpo. Cheirava a alfazema. Cheirava a cera. Cheirava a antigamente.
Que prazer inebriante inspirar toda aquela frescura.
Tudo voltava ao normal. Só a sala de visitas se mantinha ainda aberta e descoberta.
Aguardava a visita do Padre.
O tempo era de Páscoa!

4 Comentários:

Anonymous Anónimo disse...

É giro, porque será que na Páscoa é que se fazem as grandes limpezas?
Deveremos também nós limpar a nossa alma?
beijinho
beirense

quinta-feira, abril 05, 2007 11:40:00 da tarde  
Blogger Laura Lara disse...

Beirense
Talvez!
Boa Páscoa para ti e toda a família.
Beijinhos beirenses

sexta-feira, abril 06, 2007 12:34:00 da manhã  
Blogger Isabel Magalhães disse...

Vim deixar os meus votos de uma Feliz Páscoa.

Um bji.
I.

sábado, abril 07, 2007 10:27:00 da tarde  
Blogger Luísa Hingá disse...

Boa Páscoa. Beijinhos

domingo, abril 08, 2007 12:54:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home