quinta-feira, março 29, 2007

Histórias Inventadas? [10]

Estava a fazer a tropa em Angola. Mais propriamente nos serviços administrativos em Luanda. Um dia, ao aproximar-se do gabinete, ouviu um som suspeito, já que ninguém deveria estar lá dentro. Silenciou o passo, rodou a maçaneta da porta muito de mansinho e espreitou.
Em cima da sua secretária, uma daquelas antigas máquinas de calcular que funcionavam carregando-se em teclas e dando à manivela, tudo isto com um telintar característico.
Em frente à máquina, um seu ajudante, recém-chegado, metia o dedo indicador negro na boca, molhava-o, carregava assustadamente nas teclas, prosseguia a operação, mantendo sempre uma posição distanciada de segurança e, mal o telim começava a soar, afastava-se incrédulo.
Após uns segundos de hesitação, avançava, tornava a meter o dedo indicador negro na boca, molhava-o e iniciava tudo de novo. Após meia dúzia de repetições interrogativas, os olhos espantados revelaram-lhe que não estava só e com um desculpe senhor doutor fugiu, assarapantado, do gabinete.

2 Comentários:

Blogger Pitucha disse...

Tirando a parte do dedo na boca é mais ou menos assim que eu encaro os computadores! Então quando começam a tilintar...fugo!
Beijos

quinta-feira, março 29, 2007 4:33:00 da tarde  
Anonymous Luisa Alcântara disse...

Que bem me lembro desta história! Fez bem em registá-la. Um beijo.

quarta-feira, abril 04, 2007 3:19:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home