terça-feira, janeiro 23, 2007

Respigos de África - LI

As Papaieiras do meu Avô

Na Beira, em Moçambique, o meu Avô tinha, no quintal, uma papaieira.
Uma não, tinha duas.
Segundo ele me dizia, uma era fêmea, outra macho.
A papaieira macho só dava flores.
A papaieira fêmea era a que dava aquelas ricas papaias, de cor amarela, textura macia e um sabor adocicado, que nunca mais experimentei.
As papaieiras tinham que estar uma perto da outra.
Seria dessa contiguidade, dessa cumplicidade que nascia tanta doçura?

6 Comentários:

Anonymous casadaponte disse...

"ricas papaias de côr amarela, textura macia e um sabor adocicado"...não vale, fazer crescer água na boca misturada com saudade com esta descrição.Também tínhamos 2 ou 3 no quintal e 1 coqueiro.
E acho que o seu Avô tinha razão...há várias plantas (segundo "experts" na matéria) que requerem companhia. Em V.Minho tenho dois azevinhos que não dão bolinhas vermelhas, só flôr e também já me disseram que tenho que arranjar uma fêmea!
Mistérios...
Beijinhos (podem ser beirenses?!)
M.Dores

quinta-feira, janeiro 25, 2007 1:44:00 da tarde  
Blogger MJM disse...

É natural que da verdadeira cumplicidade resultem sempre frutos saborosos e de boa qualidade! Assim com as plantas(é verdade, do azevinho eu sei que assim é)também com as pessoas - só que neste caso nem sempre se encontra "a cumplicidade" certa, enquanto na Natureza sabe-se. Talvez conviver mais dentro dela faça bem aos humanos...
Mesmo sem serem daquelas, da árvore do seu avô, que consiga comer boas papaias por cá.
Aproveito para dar os parabéns à mãe e ao filho, atrasados, porque só vi hoje.
Beijos

quinta-feira, janeiro 25, 2007 4:08:00 da tarde  
Blogger Luh disse...

Eu em Moçambique torcia o nariz ás papaias...Cá adoro-as... e esta hein?

Abracinhos

sexta-feira, janeiro 26, 2007 1:54:00 da manhã  
Anonymous casadaponte disse...

Luh
Em Moçambique chegávamos a fazer "mousse de chocolate" com papaias e cacau. Era maningue bom!Quem experimentou?
Beijinhos
M.Dores

sexta-feira, janeiro 26, 2007 11:29:00 da manhã  
Blogger Madalena disse...

As papaias são ainda hoje a minha perdição. Vou de propósito aqueles restaurantes "ao peso" para encher o prato de papaia enfeitado com uma tirinha de picanha. Adoro papaia. Acredito que a tua teoria esteja certa: papaia doce só pode nascer do amor entre duas árvores que se casam e ficam lado a lado... lol
Mil beijinhos e bom fim de semana, querida Laurinha!

sábado, janeiro 27, 2007 8:20:00 da manhã  
Blogger espumante disse...

A primeira vez que comi papaia, fiz um esgar enjoado. "Aquilo" sabia mal. Mais tarde, na tropa, apanhar uma papaia directamente da papaieira, no mato ainda molhado do cacimbo frio da noite, tornou-se um daqueles pequenos grandes prazeres cheios de magia. Fosse porque a papaia, de manhã, fresca e apanhada da árvore, é uma delícia, fosse, porque todo o envolvimento tinha uma magia especial e muito própria. Não creio que fizesse algum sentido acordar no mato, numa manhã fria, andar peloc capim molhado do cacimbo, tirar a faca do mato do camuflado e apanhar e cortar um alperce ou, sei lá... uma maçã reineta. São os petit quois que só mesmo conhece África poderá perceber. Até o gosto da papaia.
Hoje, europeu, lisboeta, de gravata e, como o Jaime Gama, com horror a moscas, costumo fazer humor com o tal "África, terra bruta, que até à papaia lhe chamam de fruta".
Pronto, já falei sobre papaias. O que é um estimável pretexto, tambem, para te mandar um beijinho e desejar um bom fim de semamana.
:)

sábado, janeiro 27, 2007 2:40:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home