quarta-feira, setembro 06, 2006

No Exit - Não Hesite

No meu colégio em Hillingdon Court, perto de Londres, podíamos sair duas tardes por semana – às Quartas e aos Sábados. Nunca sozinhas, pelo menos duas. Tendo uma colega portuguesa acabado de chegar, pediu-me que a acompanhasse numa visita à cidade. Lá lhe fui explicando o caminho a seguir para apanhar o metropolitano em Uxbridge, a forma de comprar o bilhete, a maneira de ler o mapa para chegar à estação desejada, consoante o local que quisesse visitar, tendo tido o cuidado de avisar que as carruagens tinham portas exclusivamente de entrada e outras de saída, devidamente identificadas.
Chegadas a Piccadily Circus, estação de saída, ela dá uma corrida e esgueira-se rapidamente por uma porta apenas destinada à entrada de passageiros.
No cais, perante a minha observação de não acatamento da minha indicação, ela olha-me muito espantada e responde:
- Mas eu fiz exactamente o que estava lá assinalado: No Exit. Não hesitei. Saí o mais depressa que pude!!!

6 Comentários:

Blogger Periférico disse...

Afinal o Inglês também é uma língua traiçoeira! ;-)

Beijos

quarta-feira, setembro 06, 2006 6:45:00 da tarde  
Blogger JPF disse...

Deve ser por isso que há por aí muito boa gente a escrever qualquer coisa do género: "Se tiver alguma dúvida não exite em contactar-me".
Da minha experiência informo que já foram muitos os mails (e até cartas) com este maravilhoso "exite".
Beijos

quarta-feira, setembro 06, 2006 10:06:00 da tarde  
Blogger Luh disse...

Risos...
Eu por vezes se estou distraída, faço confusão com o Pull and Push!!!Risos...

quinta-feira, setembro 07, 2006 1:34:00 da manhã  
Anonymous Anónimo disse...

Estou como o periférico, não é só a lingua portuguesa que é traiçoeira....:))
beirense

quinta-feira, setembro 07, 2006 10:52:00 da manhã  
Blogger espumante disse...

Há, também a sofisticada versão da sofisticada espodsa de Américo Tomás, Gertrudes de seu nome que em viagem oficial a Inglaterra com o seu cônjuge de presidencial figura, se viu em embaraçosa situação quando, já retirada nos aposentos e depois de usar a sanita, não conseguia puxar o autoclismo. Entre o embaraço e o gertrúdico pivete, acabou por chamar o marido, perguntando-lhe aflita como é que se puxava o autoclismo. Ao que Américo Tomás respondeu: - Aqui em Inglaterra é com um pedal, não vês aqui? olha, PISE NO PEDAL, deve ter sido uma gentileza de Sua Majestade a raínha, mandar pôr isto em Português. Ao que Gertrudes retorquiu: - E como é que eu adivinhava? Olhava para aí e lia: - PAISE NÔ PIDAL, PAISE NÔ PIDAL, ia lá adivinhar o que é que isso queria dizer...
:)
Beijinhos

quinta-feira, setembro 07, 2006 6:36:00 da tarde  
Blogger Carlota disse...

LOL!
:D
Mais uma excelente história!
Beijola.

terça-feira, setembro 12, 2006 10:46:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home