quarta-feira, junho 01, 2005

Serenata

Depois de tanta coisa maravilhosa que já hoje aqui se escreveu sobre a criança, só me resta este belo poema da Cecília Meireles:

SERENATA AO MENINO DO HOSPITAL

Menino, não morras,
porque a lua cheia
vai-se levantando do mar.
São de prata e de ouro
as águas e a areia.
Não morras agora,
vem ver o luar!

Menino, não morras:
na dormente mata,
uma flor vai desabrochar.
É azul? É roxa?
É de ouro? É de prata?
Não morras agora!
Vem ver o luar.

Menino, não morras:
verdes vaga-lumes
correm, num brilhante colar.
São de prata e de ouro
todos os perfumes.
Não morras agora!
Vem ver o luar.

Menino, não morras:
ouve a serenata
que sussurra nas cordas do ar...
São cordas de sonho,
são de ouro e de prata.
Não morras agora!
Vem ver o luar.

Menino, não morras:
sobre o céu deserto,
há uma estrela imensa a brilhar.
É de prata e de ouro!
Como está tão perto!
Não morras agora,
- que a estrela da aurora
veio ver teu rosto
banhado de luar!

4 Comentários:

Blogger Madalena disse...

Obrigada pela visita e pelo comentário, Laura! Damos voltas e mais voltas e paramos sempre na indecisão do desejo de reviver a infância.
Não sei se o menino do poema é real, ou se é um apelo à infância paar permanecer para além dos limites convencionais do tempo!
Beijinhos, Laura!

quarta-feira, junho 01, 2005 10:46:00 da tarde  
Blogger Incompetente disse...

Simplesmente... lindo!

Embora nos esqueçamos, também existem meninos como este.

Beijo incompetente!

quarta-feira, junho 01, 2005 11:03:00 da tarde  
Anonymous cândida disse...

o *
\
-

quarta-feira, junho 01, 2005 11:16:00 da tarde  
Blogger lilla mig disse...

Bonito com lágrima no canto do olho... Beijinhos

quinta-feira, junho 02, 2005 9:55:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home