quinta-feira, junho 02, 2005

Senhora Professora Eva

Daquele período mais ou menos complicado que vivemos a seguir ao 25 de Abril de 1974, lembrei-me desta situação que reflecte o carácter íntegro, honesto e corajoso duma professora de português do Liceu D. Dinis, em Lisboa.
A minha filha mais velha, na altura com cerca de doze anos, sempre tinha sido uma óptima aluna, com excelentes notas na disciplina de Português. No início do 7.º ano da escolaridade (desculpem-me que não era decerto assim que, na altura, se denominava), passou a ter, na disciplina de português, uma professora assumida e notoriamente do Partido Comunista. A minha filha usava esferográficas do PPD, exibia-se com colantes e diversos atavios alusivos àquele partido em tudo o que era sítio e não se coibia de uma boa luta verbal, em sua defesa, sempre que a ocasião assim o determinasse. Não nego que temi que nada de bom adviesse desse confronto, tendo em conta casos tão inconcebíveis, quiçá irracionais, de que íamos infelizmente tomando conhecimento. Puro engano! No final do primeiro trimestre, nota máxima. O mesmo nos outros dois trimestres. Chegado o final do ano lectivo, a pedido da minha filha, a professora escreveu-lhe o seguinte autógrafo (estou a citar de cor...): “À minha querida aluna, Maria...., que escreve coisas parecidas com as que eu escrevia na mesma idade (sem canetas do PPD, claro) ...”.
Tenho contado, muitas vezes, este episódio. Acredito na grande importância que ele teve na formação, até política, da minha filha.
Do seu nome só me lembro que era Eva.
Obrigada Senhora Professora Eva.

2 Comentários:

Blogger Madalena disse...

Tudo acabou bem e a professora e a tua filha merecem a homenagem. Num confronto ideológico só há vitória, quando vence a razão. Foi o que aconteceu. A professora tinha de dar o exemplo de respeito pelas ideias dos outros.
Também dei Português nessa altura. Era à Sebastião da Gama: a aula acontecia. São tempos que não esuqecerei, como professora. Os meus golden years!
Beijinhos, Laura!

quinta-feira, junho 02, 2005 7:53:00 da tarde  
Blogger Laura Lara disse...

Olá Madalena
Sinto nostalgia nas tuas palavras. Mas é bom recordar. O que seria a vida sem as lembranças douradas?
Boa noite.

sexta-feira, junho 03, 2005 12:35:00 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home