segunda-feira, junho 06, 2005

Jacques Tati

Acordei hoje a pensar no Jacques Tati. Não, não sonhei com nenhum dos seus filmes, nem ultimamente li nada que a ele se referisse. De resto, é infelizmente pouco recordado e injustamente esquecido. Quando hoje, ao fim da manhã, fui ao supermercado, não pude deixar de me sentir num dos seus filmes. Aqueles gestos repetidos de toda a gente, escolhe a carne, mexe e remexe nas embalagens, cheira as meloas, inspecciona as cerejas – ah, são de Espanha, não prestam (porquê, alguém me explica, por favor) - mexe e remexe nas frutas, espeta o dedo e carrega na barriga do peixe e fica com ele esticado, com um ar levemente enojado, à espera que seque (será?), para ir logo carregar na barriga de outro, mexe e remexe na hortaliça, mexe e remexe ... transportaram-me para um mundo deliciosamente observado por Jacques Tati, do qual eu fazia parte. Estiquei o pescoço, inclinei ligeiramente o corpo para a frente à procura da caixa com menos gente, e com passos leves, a pedir desculpa ao chão que pisava, cá vim para casa escrever este texto.
Estou a sorrir.

2 Comentários:

Blogger Pitucha disse...

Gosto imenso dos filmes do Jacques Tati! Tinha uma capacidade de observação invejável resultando nuns filmes absolutamente deliciosos.
Beijos

segunda-feira, junho 06, 2005 3:23:00 da tarde  
Blogger Madalena disse...

Que maravilha de observação e relato, Laura! Eu no peixe não toco... bgdlh... Mas às vezes ando às voltas de roda dos congelados e das prateleiras da carne embalada, numa indecisão esquizofrénica!!! Beijinhos

segunda-feira, junho 06, 2005 5:45:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home