domingo, maio 15, 2005

"Minha água natal"

Acabei de ler o livro de Mia Couto, intitulado “Pensatempos – Textos de Opinião”. É uma compilação de palestras, artigos publicados em jornais e revistas, intervenções e outros textos, escritos pelo autor entre os anos de 2001 e 2005. Para mim, Mia Couto é um caso único na literatura em língua portuguesa. Lê-lo é um prazer, relê-lo uma delícia, saborear as suas frases e palavras tão belamente “inventadas” um deslumbramento.
Do texto “Águas do meu princípio”, não resisto a transcrever: “Falo da minha Beira, pequena cidade em que nasci, localizada no centro de Moçambique, na margem esquerda do rio Pungué. A Beira é um sítio roubado às águas de um estuário, forrado de lodo e mangais. Cidade líquida, num chão fluvial. Tanto que, para falar dela, eu digo: a Beira, minha água natal.”.

3 Comentários:

Blogger Emilia disse...

Olá Laura:
Na verdade ler Mia Couto é como viajar num país encantado onde as palavras são "coisas" que vemos, sentimos, tocamos!
Um abraço e obrigada pela visita ao Netwriting. Aguardamos também uma passagem pelo Netescrita.
Emília.

domingo, maio 15, 2005 9:50:00 da manhã  
Blogger Madalena disse...

Laura, que lindoooooooooo!
É isso que eu também sinto pelo Mia Couto. Nem me concentro muito no enredo. Para mim, chegam-me as palavras!
O meu pai veio da Beira em 77...
Eu nunca lá estive. Já estava cá nessa altura. Tenho um episódio para contar aquando de uma visita do Presidente Samora à Beira e ao Hospital...

domingo, maio 15, 2005 10:44:00 da manhã  
Blogger Laura Lara disse...

Madalena
Estou cheia de curiosidade. Quando contas o episódio?
Até lá

domingo, maio 15, 2005 6:18:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home